Sobre amor e sorte


   Quando fecho os meus olhos, seu sorriso dispara em minha mente. Flashes do seu riso fácil se combinam ao som da sua gargalhada meio falha. Devo confessar: eu tenho sorte.

   Tenho sorte pois tenho ao meu lado alguém que me ensinou que posso ser mais e que a soma das partes é maior do que o todo, porque somos dois, e se somos dois, somos um e um. Tenho sorte pois com ele aprendi que as fases da lua e o ciclo do mês não alteram o bom humor quando as coisas estão em paz, quando somos tranquilos e leves. Falando em leveza, havia algum tempo que já não me sentia assim, então ele veio e me deu asas, ou apenas me ensinou a voar.

   Engana-se quem pensa que foi sempre assim, muito já passamos e muitos dias foram escuros para nós também, mas o clichê é verdade: o que seria do arco-íris sem a chuva? Mas o passado é assim mesmo, aprendizado. Passado é cair e ralar o joelho infinitas vezes, até aprender a se equilibrar. No dia que você encontrar o equilíbrio, aí você está pronta. Aí você tem sorte. Aí eu tive sorte.

   Há quem diga que sorte é estado de espírito, sorte é pensamento positivo, sorte é ação. Talvez seja, mas sorte também é amor, é carinho, é união. Fechar os olhos e ter bons momentos para imaginar, é fechar os olhos e planejar cada dia juntos, mas mais sorte ainda é abrir os olhos e fazer acontecer.

   Quando ele pega pela minha mão e me arrasta para o mundo dele, sem mais nem menos, eu tenho certeza de que tenho ao meu lado alguém que vale. Vale tudo, vale o mundo e vale cada gota de amor que transpira. Quando ele me acorda e me faz levantar nos domingos, eu tenho certeza de que é algo mais, e sempre é. E se ele soubesse o quão incrível ele é, bom, talvez ele soubesse que está no caminho certo.

   Se ele lesse isso, talvez percebesse que, quando se trata dele, eu fico sem palavras (logo eu, que boto palavras em tudo). Mas é que ele é tudo o que um dia eu sonhei e talvez mais e com ele, eu sou exatamente quem eu desejei ser, um dia. Quando se trata de amor, todos somos falhos, todos cometemos erros e talvez, muitos de nós, nem sabem que ele realmente existe, por isso eu digo: no dia em que você abrir os olhos e sentir que pode ser o que quiser ao lado de quem ama, então você tem sorte.

Imagem: Pinterest

Júlia Wentz dos Santos

19 anos, taurina. Escritora de gaveta, cantora de chuveiro e futura CSI

Nenhum comentário:

Postar um comentário