Hoje eu quis, e quis muito

Hoje eu pensei em passar na tua casa, ver se está tudo em ordem, se você já parou com a mania de deixar as meias espalhadas e se aprendeu a dobrar as camisetas.  Pensei em aparecer para ver os seus armários, se tem alguma coisa além de mim faltando, se já cansou de viver de Miojo e comida congelada e se ainda tem aquele estoque de ketchup que eu nunca entendi.
Pensei em procurar nossas músicas em seus discos, só pra saber se o seu gosto musical ainda continua impecável como sempre foi. Quis revirar suas gavetas, seu guarda roupa, procurar seus perfumes e saber se você ainda tem o mesmo cheiro entorpecente. Deitar na sua cama, me cobrir com suas cobertas e deixar meu cheiro e, quem sabe, um fio de cabelo embaixo do teu travesseiro. Hoje eu quis pular na tua piscina pra saber se você ainda exagera na dose do cloro, eu quis assistir seus filmes pra saber se você ainda prefere terror.
Hoje eu pensei em entrar na tua casa e cuidar um pouco da tua vida, te preparar um jantar à luz de velas e ao som de Shania Twain. Eu queria, mas quando o porteiro, que sempre foi gente boa, me olhou com pena e falou "moça, ele trocou a fechadura", soou como se ele tivesse dito: "moça, você não serve mais aí...". Guardei a minha chave na bolsa rosa, e saí com esperança de que você tenha guardado a fechadura. Vai que um dia eu volte a me encaixar na tua vida.

19 anos, taurina. Escritora de gaveta, cantora de chuveiro e futura CSI

Nenhum comentário:

Postar um comentário