Não são só memórias

E eu disse aquelas palavras na esperança de aliviar um peso no meu coração "eu não quero mais". Aliviou, aliviou a angústia e toda a dor que eu estava sentindo. Talvez a culpa nem fosse sua, nem fosse nossa, a minha vida estava uma bagunça, como diz a música "tão confusa quando a América Central" e eu descontei na gente. Talvez a culpa não fosse minha também, eu não tinha controle sobre a situação, eu estava desordenada, sem saber pra onde correr, precisando de calor, aconchego. Eu tava precisando correr pro novo, ser alguém que não eu. Só que aí eu fiz o que fiz e continuei na mesma, sendo eu. E aí os dias passaram e eu chorava sua falta, mas eu precisa superar, eu precisava manter o meu orgulho, minha barreira. O tempo passou e você seguiu a sua vida, sei que não conseguiu me esquecer, nem eu o fiz, mas hoje nos evitamos mais do que o diabo foge da cruz. Talvez tentamos convencer a nós mesmo e todos aqueles que nos cercam de que esquecemos, mas não o fizemos e duvido que um dia o faremos.
Hoje, enquanto separo as lembranças, deixo as nossas no fundo da caixa para que não as veja seguidamente, mas começo a suspeitar de que meu coração é masoquista, pois ele revira tudo até encontrar o que eu mais quero esquecer. Hoje eu reviro tudo, espalho pela casa, pelo caminho, por todos os lugares que passamos e vivemos, e aí em cada canto da cidade eu encontro um pedaço de nós. Hoje você sumiu e faz questão de se obrigar a não pensar em mim, eu tento, nem sempre consigo. Tomo uma dose de você constantemente, dias mais, dias menos, dias me embriago de tanta dor, mas eu sempre vou levando, porque não existe nada de diferente que eu possa fazer. Você sabe que eu acredito no destino e meu maior defeito é deixar muitas coisas nas mãos dele. Nos deixei, inclusive.
E quanto ao peso que o "eu não quero mais" me tirou, voltou em dobro no "eu sinto a sua falta". Sinto a sua falta quando anoitece e não tenho seu beijo na porta da minha casa. Sinto a sua falta quando eu acordo e não sinto seu olhar ou não recebo uma simples mensagem de "bom dia". Sinto a sua falta nas madrugadas frias, onde só o seu calor me aquecia. Sinto a sua falta cantando nos karaokes da vida comigo. Dançando comigo pela cozinha e fazendo corrida de sanduíche. Sinto a sua falta a cada piscar de olhos e a cada inspiração.
Sei que um dia você volta e voltaremos a ser "nós", mas enquanto isso não acontece eu continuo insistindo em reorganizar a minha bagunça interna e a sempre encontrar "casualmente" uma lembrança que me carregue diretamente à você. Shopping, areia, muro, trilhos de trem, filmes e tudo aquilo que, por um dia que seja, tenha pertencido a nós.

19 anos, taurina. Escritora de gaveta, cantora de chuveiro e futura CSI

2 comentários:

  1. Não deixe que o medo do passado te impeça de tentar um futuro. A vida é linda e você merece sorrir (: Lindo texto, e triste também. Parabéns pelo trabalho ;)
    beijos rimados pra você!

    ResponderExcluir