Você


E depois de tudo o que perdemos –e nos perdemos- pelo caminho, ainda temos muito. Principalmente muito a reconquistar.  Precisamos entender que as coisas estão acontecendo, que o coração anda pulsando, que a saudade anda batendo e que as coisas estão cada vez mais intensas.  Olha, eu nunca tive a intensão de fazer isso, nunca quis pensar que eu podia sentir sua falta porque eu já sabia como seria. Uma saudade irreparável, uma dor sufocante, agonizante e nada que pudéssemos fazer para melhorar. A não ser, você sabe, correr contra o tempo, avançar as engrenagens do relógio e atravessar todo o tempo que nos mantém distantes.
Dias, meses, anos se passarão até que possamos entender o que acontece. Até que possamos aprender a lidar com a necessidade que nos consome aos poucos. Enquanto isso, levaremos os travesseiros à boca na intenção de abafarmos os gritos e o choro. Porque é assim, você sabe que é assim, comigo e com você.
Depois de você, desaprendi a amar, desaprendi a sentir e mais um monte de coisas que com você eu era perita. E olha, nós transcendemos tanta coisa que diziam que não íamos conseguir, e onde fomos parar? Fomos nos esconder em meio às plantas que enfeitam as salas de nossas casas, fomos nos esconder embaixo das camas que dormimos alguma vez, fomos atravessar a cidade passando pelos becos que tínhamos certeza de que não encontraríamos um ao outro. Porque nos encontrarmos agora é suicídio, é loucura e é o que não podemos fazer. Não porque não queremos, mas sim porque realmente não podemos, eu não deveria nem estar pensando em tal possibilidade.
Hoje eu acordo, não reconheço minha face no espelho, pois sua ausência me deteriora física e emocionalmente. Se você estivesse aqui, eu sei que tudo seria mais fácil, você tem esse dom. Você me acorda as 2:47 da madrugada e eu não me importo, ao contrário, eu sorrio e penso que só podia ser você, porque eu estava querendo mesmo sinal seu.  Mesmo que cada vez que você foge dos meus sonhos eu comemoro finalmente estar me desprendendo, você volta e eu não posso negar as borboletas no meu estômago. E eu tento encontrar um caminho, eu tenho encontrar uma estrada que não me carregue até você, mas até as minhas palavras são direcionadas a você.
E chove o dia todo, o mundo pranteia sua ausência junto comigo. O mundo pranteia seus braços não estarem fechados ao redor do meu corpo. O mundo implora para suas mãos se enlaçarem com as minhas. O mundo torce por você ao meu lado. Enquanto houver tudo isso, os nossos tantos erros serão ofuscado pelas lembranças de nossos sorrisos enquanto sentávamos na beira da praia e olhávamos para o mar, das estrelas cadentes que vimos juntos e dos pedidos que eu fiz em silêncio “que seja eterno, por favor”.
E eu te peço que não deixe o destino desistir de nós, que não deixe nossos sonhos se apagarem e que não se esqueça de mim, porque eu vou tentar sempre te amar. Mesmo que doa, mesmo que a espera seja grande e tempo imenso. Mesmo que as minhas palavras se percam, mesmo que a minha voz não seja mais ouvida, mesmo que minha respiração não seja mais tão suspirada, eu tentarei. Tentarei pois nós fizemos promessas que não podemos quebrar, fizemos planos que precisam se realizar. Está escrito em nosso destino, está transcrito em nosso DNA, está implícito em nossos olhos e canções, está explícito neste texto e em tantos outros que já escrevi na esperança de conseguir acalmar este sentimento que vez ou outra acorda dentro de mim. 

19 anos, taurina. Escritora de gaveta, cantora de chuveiro e futura CSI

Nenhum comentário:

Postar um comentário