Cúmplices da Mentira

E aí você me pergunta o que eu guardei de nós e eu, intimamente, penso: "o que eu não guardei de nós?". Enquanto mexia nas caixas velhas e empoeiradas, passei a mão por um plástico, e ao puxá-lo logo reconheci: O pacote que embrulhava o primeiro presente que você me deu, plástico transparente com um papel de seda verde -sua cor preferida- dentro, e depois, no mesmo lugar, encontrei a sacolinha da loja onde comprei seu "Back in Black". Sim, eu guardei.
Guardei todo e qualquer resquício de você, guardaria até os fios de cabelo que você perdeu enquanto esteve comigo, se eu os encontrasse. Guardei nossas fotos, presentes, cartas, rascunhos, músicas e o que mais se pode guardar (seja numa caixa ou no coração).
E você me pergunta se eu tenho esperanças quanto a nós. Tenho, claro que tenho, se não tivesse, nada guardaria. O problema é que quando as nossas ruas deixaram de se encontrar, quando o metrô pareceu andar mais rápido, quando já não havia mais a vontade de bater na porta da sua casa, eu fugi. Fugi porque você sempre soube que eu sou fraca pra essas coisas. Sou fraca e não resisti à nossa primeira briga, levantei a voz, me assustei comigo, com as lágrimas que inundavam o tapete do quarto e disse que não queria mais, que não era boa o suficiente pra você e que não ia me desprender de certos hábitos.
E não me desprendi mesmo, nem de você eu consegui me desfazer. E olha, eu tentei, fiz o que eu podia me convencer de que eu precisava era de outro alguém, mas não tem como apagar o que é escrito a caneta e o corretivo ou sai ou deixa relevo.
E enquanto a vida nos prega peças -de nos lembrarmos, esquecermos, amarmos, de beijarmos outras pessoas, pedirmos carinho para outras e pensar que devíamos digitar o número um do outro no celular e apertar sem medo o botão de chamar- a gente vai vivendo e tentando fingir pro mundo que os objetos que fizeram parte de um "nós" estão bem guardados e até já foram esquecidos. Mas nós sabemos o tamanho desta mentira.

19 anos, taurina. Escritora de gaveta, cantora de chuveiro e futura CSI

Nenhum comentário:

Postar um comentário