you came into my life and I thought "hey, you know, this could be something"

Ainda lembro de quando eu te conheci. "Ai como ele é lindo", ouvi alguém comentando. "Ela acha todos lindos" pensei, mas resolvi olhar em sua direção mesmo assim. Havia algo em você, algo que me prendia e então você tornou-se o centro das atenções. Não me importavam as luzes coloridas girando nem a minha cabeça tampando a máquina filmadora. Não me importavam os outros caras e as guitarras pegando fogo, não me importava o baterista meio bêbado. Me importavam a sua voz e seus olhos fechando a cada aumento de tom, me importava você, pedindo licença para que pudesse desligar a máquina, quando na verdade você só queria tirá-la detrás de minha cabeça, ou entrar você em minha cabeça -ou ainda se aproximar de mim-. Passei o resto da noite te observando, vibrando internamente a cada encontro de olhar e a cada esboço de sorriso. Eu sei que recusei seu primeiro convite, que tinha mais gostinho de autopromoção do que qualquer outra coisa, e aí eu me perdi de você por algum tempo.
Te reencontrar foi como encontrar ouro no fundo de um baú no final do arco-íris, inesperável mas incrível. Você me encheu os olhos com tamanha beleza, e não refiro-me apenas à sua beleza física, mas à sua beleza interior, que é grande. Seus olhos jorravam vivacidade, e quando estes se encontraram com os meus, ah então eu tive certeza de que era você quem eu procuraria a partir de aquele instante. Não demorou muito e você veio em meu encontro, eu quase não acreditei que aqueles braços estendidos eram pra mim, eu quase não acreditei que aquele abraço era pra completar o meu, que até então vagava só. Eu quase não acreditei que era a sua voz no meu ouvido, que a cadeira vazia ao meu lado seria preenchida por você. E ai a noite acabou, passaram-se as horas e dias. Hoje eu saí na esperança de o meu destino cruzar com o seu na esquina, no barzinho ou atravessando a rua. Hoje eu saí na esperança de ver você do outro lado, mas não. É que o depois sempre dilacera um pouco, o depois, mesmo o depois do nada, sempre machuca e a realidade sempre vem. Depois de trocar umas palavras com você, hoje percebi que não vai ser tão fácil assim trazer você de vez pra mim. Notei um pouco da frieza ou das emoções contidas, mesmo que por palavras digitadas. Agora eu quero ver você frente a frente, olho no olho. Agora eu quero ver você de verdade, quero ver quem existe por trás de tudo isso, de toda essa espetacularidade que traz o seu nome como identificação. E depois que eu descobrir quem se esconde aí dentro, eu mostro pra você que pode ser eu quem irá te fazer feliz. Mas primeiro você tem que me mostrar que está disposto a aceitar a troca. E você sabe do que eu estou falando.

19 anos, taurina. Escritora de gaveta, cantora de chuveiro e futura CSI

Nenhum comentário:

Postar um comentário