Mais um dia emocionalmente instável.

E hoje me bateu um sentimento triste. Hoje eu vi meu passado passando pelos meus olhos e eu senti vontade de agarrá-lo. Agarrar você, tirar você daí, do passado e, só por hoje, te fazer meu presente. Não sei porque motivo essa nostalgia tão forte me bateu, mas ela veio de surpresa e acabou ficando, acabou me tomando. E eu imaginei se um dia você ainda virá na minha casa, se um dia você vai deixar de me evitar, se um dia eu vou poder olhar pra você sem o aperto no peito. E hoje eu me perguntei porque eu fiz tudo isso, o porque de eu ter te jogado fora, porque de eu ter ignorado todos os sentimentos, o porque de eu ter esquecido de tudo só pra me aventurar em algo. Por que você me deixou cometer essa loucura? E hoje eu quis saber porque você não agarrou minha mão e me impediu de fugir. Por que você não esperou a poeira baixar e correu atrás de mim? Eu teria voltado, eu teria voltado atrás na hora se eu não fosse orgulhosa.
Eu sei que eu to bem sem você, e você sem mim, mas é que hoje a musica do rádio tocou no meu ponto fraco quando se trata de você: a voz. Eu lembrei da sua voz cantando pra mim. E eu lembrei que talvez a sua voz nem seja mais a mesma, que talvez eu já nem reconhecesse você me chamasse do outro lado da rua. Talvez eu nem reconhecesse mais você, eu já nem sei mais quem você é, o que você faz, do que você gosta. Mas eu com certeza lembraria do seu cheiro, reconheceria-o se o sentisse, e eu confesso, eu procurei por ele, na esperança de encontrar a última partícula perdida do seu perfume, mas ela já foi evaporada a tempos. Hoje você não passa de um nome nas minhas listas de contato, de um numero na minha agenda, de uma memória do passado. Hoje você não passa das fotos que eu não tenho coragem de excluir, dos presentes que eu não tenho coragem de jogar fora.
E hoje eu peço, se você estiver lendo isso, para que você nunca esqueça de mim. Nunca me deixe ser a parte escura que você não quer lembrar. Lembre-se de mim do mesmo jeito que eu lembro de você, como algo que foi bom, como momentos de sorrisos e como abraços apertados. Comemore os nossos aniversários e esqueça o nosso último dia. Lembre-se do nosso primeiro oi e esqueça do adeus. Faça como eu fiz e carregue contigo a parte boa disso tudo, e por favor, como último pedido, não me ignora quando me vir na rua, porque vai ser nesse dia que eu vou conseguir respirar aliviada.
Agora vou tentar tirar essa dor através das lágrimas, vou tentar fazer com que eu volte a ter um dia normal, a final, não fui eu quem decidiu isso? Não fui eu quem fez isso? Sim, e eu sei que essa dor é só uma fraqueza da alma, só um apelo do coração, que agora precisa de mais apoio emocional, que agora precisa mais do sentimento do que qualquer outra coisa, e foi por isso que você voltou para o meu coração hoje, porque com você eu era completa emocionalmente, e só.

19 anos, taurina. Escritora de gaveta, cantora de chuveiro e futura CSI

Nenhum comentário:

Postar um comentário