Feliz meu terceiro aniversário com você

E eu comprei um bolo, nosso bolo. Terceiro aniversário. Terceiro aniversário de expectativas, de promessas e espera. Eu escolhi o bolo com o glacê mais bonito, com o maior número de confetes enfeitando e com o melhor recheio. Eu vesti a minha roupa mais bonita para esperar você, como eu sempre fiz. Eu espiei pela janela, eu abri a porta, eu sapateei até pensar que estava na hora de você chegar.
Eu apressei com a vida pra ver você sorrindo. Eu apressei com tudo, eu corri com tudo, eu envelheci e tudo, só pra ver você sorrindo, só pra ver nosso terceiro aniversário sendo comemorado, finalmente. Na verdade, o que eu chamo de "nosso terceiro aniversário" é na verdade o "meu terceiro aniversário com você", é, isso mesmo. Eu passei três anos com você e você passou três anos com outras. E nessa de a culpa ser minha ou sua, o culpado mesmo é o destino. É, o destino mesmo. Eu sempre te procurei no meio dos seus relacionamentos, e você fez o mesmo comigo. Eu solteira, você namorando. Eu namorando, você solteiro. Sempre foi assim, desde o princípio. Desde o dia em que nossos olhos se cruzaram pela primeira vez.
E hoje, eu quis comemorar com você, eu quis entregar pra você a série de poemas que eu havia compilado, aqueles que a gente gostava de ler e que dizíamos que quando estivéssemos -em fim- juntos, gritariam para o mundo o quão gratificante é estarmos assim. E hoje eu quis te abraçar com tudo, te dizer que mais uma vez, e mais do que nunca, eu estou pronta pra entregar meu coração para você. E hoje eu quis gritar para todas aquelas pessoas o quão lindo você é, o quão meu você sempre foi. E hoje eu percebi a tristeza no seu olhar e no seu sorriso. Hoje eu percebi que o seu "oi" de longe quis me dizer que não seríamos nós. Que talvez tivéssemos que esperar pelo nosso quarto aniversário, ou pelo quinto ou sexto. Que talvez ainda demorasse mais um ano ou cinco para o destino nos unir.
E eu gosto de pensar que no futuro vai haver, nem que seja por um milésimo de segundo, um nós. O nós que ficou perdido por tanto tempo, o nós que esperou todo esse tempo, o nós que ouviu tantas promessas, o nós que sofreu tantas decepções e o nós que quer ficar feliz pelo resto da vida.

19 anos, taurina. Escritora de gaveta, cantora de chuveiro e futura CSI

Nenhum comentário:

Postar um comentário