Eu preciso por os pingos nos meus is

Eu ando meio enjoada. Enjoada dessa mesmice, dessa gritaria, desse vazio, dessa solidão crônica. Eu ando meio enjoada das minhas preocupações e das reviravoltas que a minha vida dá. Eu ando enjoada das pessoas que estão ao meu redor mas que não me acrescentam nada, eu ando enjoada da hipocrisia e da enrolação.
E que mude tudo, por favor. E que tudo torne-se mais estável, que nada tenha aquele embalo chato que embaralha a visão e os pensamentos. Que, por hora, eu consiga parar de pensar e de me preocupar com tudo e que eu possa sentir novamente a adrenalina percorrendo meu corpo e anestesiando meu cérebro. Eu quero um baque, aqueles baques que mudam a vida, que colorem tudo, que fazem tudo ficar melhor. E eu sei que a mudança nunca cai do céu, mas e se caísse? E se eu, ao menos uma vez, tivesse sorte?
Dar uma volta ao mundo e depois encontrar um amor pra vida inteira. Chegar em casa e levar uma lambida de cachorro e não me irritar por causa disso. Porque eu quero dar um jeito em tudo, eu quero pegar o meu mundo e mudar, decorar, colorir. Eu quero ir pra outra cidade, conhecer gente nova, lugares novos, praia nova. Eu quero pegar uma cor, pintar meu cabelo de outra cor e fazer uma tatuagem. Eu quero usar o que eu tiver vontade e cantar no meio da rua. Eu quero pegar meu violão, compôr uma canção e fazer sucesso com ela. Eu quero fazer um desenho e grudar na minha parede, eu quero abraçar alguém que queira ser abraçado. Eu quero poder, no final de cada dia, deitar a cabeça no travesseiro e saber que eu gargalhei ao menos uma vez nas ultimas 24 horas, ter a certeza de que o meu dia foi bem vivido e que o próximo será melhor ainda.

19 anos, taurina. Escritora de gaveta, cantora de chuveiro e futura CSI

Nenhum comentário:

Postar um comentário