E acima de tudo, eu acredito no amor

Lembra quando eu te disse que nunca mudaria? Por nada nem ninguém? É, eu estava errada. Eu mudei inconscientemente, quase que inconsequentemente, mas você sabe, eu não sou inconsequente, eu sei quando parar. Eu mudei tanto que continuo a mesma, você se espantaria. Mas e você, como vai? Me conte um pouco sobre a sua vida, seus amores, desamores e sua família, como está? Me conte sobre seus sonhos, a faculdade, os feriados, as viagens, as festas. Me conte um pouco sobre quem você é, eu preciso saber.
Eu quero saber se você mudou, se você tem novos planos -e se por ventura eu me encaixo em algum deles. Essa noite eu vou pedir ao céu que te cubra com as mais brilhantes estrelas, eu quero que você possa sentir a minha presença, eu quero que você possa ver o meu olhar velando o teu sono. E o tempo vai passando e eu vou passando sem você, passando apenas. Todos os dias eu olho pro céu desejando encontrar uma estrela cadente que possa me trazer de volta os momentos que eu passei com você -lembrando que meu último desejo à uma estrela cadente foi que momentos com você durassem para sempre.
É, talvez uma das minhas mudanças tenha sido desacreditar nas estrelas cadentes, porque uma a uma foram tirando você de mim. Pedaço por pedaço seu. Fragmento por fragmento da sua alma. Arrancaram de mim cada fibra do seu coração, que me pertencia. E às vezes eu peço ao tempo que te leve embora de vez, mas ele não consegue, a carga sua que ficou comigo é grande demais para ser carregada, é forte demais para alguém tirá-la de dentro do meu peito. Ela está agarrada nas minhas mãos, e eu carrego você ao meu lado, te levo para passear comigo, te ponho para dormir junto a mim, ajo como se você me pertencesse e estivesse aqui. Pena que não, pena que agora é tudo ilusão.
Eu me convenço de que não posso viver sem você, de que eu preciso de você ao meu lado, de verdade. Sem mais nem menos, sem nada que nos impeça. Eu vou torcendo para que a vida nos junte, nos grude, nos costure, nos misture, nos funda, porque se eu te ter eu não solto mais de você. E hoje eu sonho em sair com você, fugir com você, ver você de joelhos "case-se comigo", mas isso não me faz bem isso agora é perda de tempo, você nem está aqui. Por que eu não posso te dizer que eu ainda me importo? Por que algo me impede de simplesmente pegar o telefone e ligar pra você? De correr em sua direção? Eu sei que é tarde, mas eu tenho esperanças, eu acredito no nós. Eu acredito que o nosso infinito não foi mais um símbolo torto. Eu acredito que aquele dia você realmente me deu o seu coração. Eu acredito que a nossa hora, certa, vai chegar.

19 anos, taurina. Escritora de gaveta, cantora de chuveiro e futura CSI

Nenhum comentário:

Postar um comentário