O pra sempre, o eterno e o infinito

Virou-se em direção a ele e o beijou.
-Não sabe como esperei por isso. - disse em um tom suave.
-Eu... Eu nunca imaginei. - ele respondeu.
Eles eram o tipo de amigos que todos sabiam que eram algo mais, menos eles. Talvez soubessem e preferiam esconder. Ela era o tipo menina tímida e certinha, do tipo não-bebo-e-não-falo-palavrão, ele era daqueles meninos, que embora inteligentes, são do tipo vivendo-a-vida-adoidado.
Eles eram o tipo de amigos que nunca deixavam o assunto morrer, que nunca perdiam a piada, que um abraço durava 5 minutos. Eram o tipo de amigos inseparáveis, inquebráveis. Tinham laços mais fortes que os laços de uma amizade normal.
Ela nunca contou a ele por timidez, ela não era de expor os sentimentos. Ele não contava pra ela por medo de ser rejeitado e perder a amizade. Deixavam no comodismo, no morno. Não passava da conversa, da risada, do abraço.
Ela sabia que estava se apaixonando, ele já tinha certeza. Eles haviam sido feitos um para o outro e todos sabiam, todos, exceto eles.
Era sábado a noite, eles estavam deitados na grama, uma estrela cadente apareceu no céu. Ela pediu coragem, ele pediu por ela.

Virou-se em direção a ele e o beijou.
-Não sabe como esperei por isso. - disse em um tom suave.
-Eu... Eu nunca imaginei. - ele respondeu.
Grudaram-se com o amor, com a paixão. Colaram-se com o desejo, com o sentimento. Amaram-se pela eternidade, sem preocuparem-se com a fugacidade do tempo. O tempo pra eles já não existia, o tempo pra eles agora seria o pra sempre, o eterno e o infinito.

19 anos, taurina. Escritora de gaveta, cantora de chuveiro e futura CSI

Nenhum comentário:

Postar um comentário