Um amor em prosa ou poesia.

Olho para essa página em branco e começo a tentar despejar tudo o que sinto aqui, na esperança de voltar a deixar meu coração limpo, branco e leve, para que nele possa ser escrito o mais belo romance, em forma de prosa ou poesia. Te dou um lápis e meu coração, para que nele grave o que quiser, enquanto eu me ocupo passando os sentimentos a limpo. Você já foi mais meu e agora eu sou mais sua.  Será que não pode haver igualdade? Você poderia ainda sentir minha falta como antes, ainda esperar pela minha chegada, me querer e tudo mais. Mas ou você me esqueceu ou você não sabe expressar bem os sentimentos, visto que você nunca me disse o que sentia por mim (é, eu soube pelos seus amigos). Mas o que acontece é que eu também não sei falar sobre amor e tenho um jeito todo destrambelhado e sufocante para expressar. Eu só quero você deitado no meu colo de novo, porque foi assim que tudo começou, e te fazer cafuné, porque eu não conheço cabelo mais gostoso de mexer que o seu. Eu só quero sair do chão com seu abraço, mas abraço com vontade, com carinho, pegar na sua mão, sentir o toque eletrizante da sua pele e depois correr para longe com você. Sonho com o dia em que vou acordar as 4:30 da madrugada com uma mensagem sua dizendo "vemk" ou "to carente", "me abraça" e no maior dos sonhos "eu amo você". Eu decido que vou te tratar com indiferença, mas você chega perto de mim e seu olhar rouba qualquer milésimo da minha atenção. E eu não consigo mais me concentrar em nada com essas borboletas que ficam voando por aí, dando preferência ao meu estômago, coincidentemente elas entram quando eu penso em você. Já é meio tarde e tem um gato miando na minha janela. Eu gosto de gatos e você sabe minha da obsessão por eles, ou pela fofura deles. Até o gato que mia na minha janela me faz lembrar de você. Ainda há uma saída? É pedir demais querer fugir de uma paixão? Não sou do tipo que me apaixono fácil, então você deve ter o algo a mais que eu venho procurando, mas quero saber separa você é suficiente o que eu tenho para lhe oferecer. Posso fazer uns versos e te dar um poema de presente, posso cantar uma música e te eternizar nela, posso te dar carinho até você dormir, posso gritar meu amor por ti de baixo da tua sacada, meio Julieta desesperada. Ou posso simplesmente continuar na minha, esperando você perceber todos os sinais que eu deixei ao seu redor, esperar que você leia esse texto e tome-o como seu, que você ouça a música que eu lhe mandei e sinta que a letra é pra você e posso ainda manter meu silêncio, escondendo meu amor dentro de cada palavra que eu lhe digo, esperando que você as abra e encontre os pedaços de uma paixão completa.

19 anos, taurina. Escritora de gaveta, cantora de chuveiro e futura CSI

Nenhum comentário:

Postar um comentário