Mais um sem título.

Senti necessidade de escrever sem saber por onde começar. Talvez devesse começar pelo dia em que fiz a escolha. É, a escolha era minha, e eu fiz, parecia quase não se importar. Fiz a escolha, despejei o peso da interrogação e dormi. Um dia. Dois dias. Uma semana. E aí o tempo se tornou lento, quase não passava, mas eu sou insistente. Persisti. Perdia pedaços meus pelo caminho. Distribuí abraços até ficar insuportável. Parei. Mais uma semana. Quando quis voltar atrás, tarde, muito tarde. Tarde demais. Mas não sei se é falta ou só necessidade de atenção. Solidão. 3 noites mal dormidas, 1000 litros de lágrimas. Aí decidi mudar. Sair. A casa bagunçou - de novo. Rios de lágrimas e poços de inconformidade. Desamor. Eu perdida. Eu sem saber o que fazer - mais uma vez. Eu sem escolhas. Eu sem saída. Músicas tristes. Felicidade alheia incomoda. Egoísmo. Preciso de você ou preciso de alguém? Talvez os dois.

19 anos, taurina. Escritora de gaveta, cantora de chuveiro e futura CSI

Nenhum comentário:

Postar um comentário