Algo que eu ainda tento aprender..


Correr riscos. Sempre me perguntei até que ponto vale a pena ir. Penso que os riscos são o único caminho para a felicidade, e tendo apenas uma vida para ser feliz, correr riscos torna-se algo praticamente inevitável na incessante corrida para a felicidade, riscos grandes ou pequenos, e se você parar pra pensar, tudo é arriscado e tudo tem consequencias, como já dizia Newton, sem querer trazer a física para o texto, mas: "Toda ação provoca uma reação". Nunca fui alguém que corre riscos, que vive intensamente cada segundo, mas sinceramente, eu queria viver assim.
Lógico, não sou totalmente parada, monótona, mas eu queria ser mais espontânea e menos calculista, não sou calculista visando lucros pessoas, e sim, fazendo cálculos e verificando possibilidades, probabilidades e margens de erro.
Já prometi mudar e aceitar pagar os preços mais altos para a felicidade, mas não consigo. Comparo a vida, agora, com uma viagem, onde você pode escolher em qual tipo de hotel você quer ficar. Se escolheres pagar pouco, não terás regalias, pague bem, e terás uma boa estadia, pague um preço alto e terás todo o conforto do mundo. Se escolher não correr riscos, existirá apenas, sem das chance à felicidade e aos acertos, se correres alguns riscos, serás feliz, e se tu te permitires a entrar nessa viagem disposto a aproveitar cada segundo, aí então saberás o porque de estarmos vivos.

19 anos, taurina. Escritora de gaveta, cantora de chuveiro e futura CSI

Nenhum comentário:

Postar um comentário