Top Model.


Hoje, mais cedo, eu olhava um programa na televisão sobre moda, e eu via as passarelas com aquelas modelos. Todas me pareciam tão, iguais com seus rostos praticamente perfeitos assim como seus corpos. Seus cabelos alinhados, com poucos, ou nenhum, fio fora do lugar, perfeitamente lisos. E então eu pensei o porque elas são "modelos", no sentido mais literal possível da palavra, elas são modelos porque são esteticamente perfeitas, alinhadas e com suas silhuetas arredondadas. Lembrei-me de quando alguém me disse que a Gisele Bündchen era perfeita, que estudos haviam comprovados que ela era simétrica, seu lado direito era exatamente igual ao seu lado esquerdo. Mas não é a ciência que diz que todos os seres humanos são assimétricos, seus lados sempre possuem alguma diferença? Então a Gisele, infelizmente, não pode ser um modelo a ser seguido. Não há como ser como ela, a menos que a genética seja incrivelmente generosa com você e faça do seu lado direito gêmeo idêntico do lado esquerdo, caso contrário, não. Porque as chamamos de modelos? Modelos para uma sociedade esteticamente perfeita? Rostos mais quadrados, que é um bom ponto "comercial" no mundo da moda, cabelos perfeitos, corpos magérrimos a ponto de vermos gente adoecer, e ter um pé exatamente do tamanho do outro. Como se isso me importasse. Porque a beleza está tão ligada ao comercial? Vejo homens e mulheres lindíssimos a todo canto que não serviriam para ser modelos. Sem falar que isso é um padrão de beleza, que eu particularmente acho muito abstrato. Padrão, modelo, gosto, isso não se discute. Não há porque querer ficar dentro do padrão de beleza comercial se não estamos dentro do nosso próprio padrão. Não sei muito bem o que me levou a escrever esse texto, acho que eu estou um pouco cansada de ver meninas e meninos querendo ser perfeitos esteticamente e perderem outras coisas mais importantes. Há um pouco mais com o que se preocupar. Não quero saber se meu cabelo está alinhado ou se eu estou a cima do peso. Não quero saber se meu rosto é quadrado ou triangular. Na verdade eu não quero ser modelo estético pra ninguém. Mas é que eu vivo numa sociedade onde o "Você está linda hoje" vale muito mais do que um "Todos gostam de você" ou um "Sua honestidade é algo incrível". Eu vivo numa sociedade onde estar dentro dos padrões é tão importante, tão inquestionável, que minha vontade de quebrar essa "regra" cresce a cada dia, a cada vez que eu vou vestir uma roupa ou arrumar meu cabelo. Eu não quero seguir um padrão de moda que eu vejo na TV, tampouco saber se o que eu estou usando hoje está nas passarelas, eu só quero usar o que faz eu me sentir bem, eu só quero usar aquilo que me faz realmente sentir bem. Sentir-me eu mesma. Isso basta. Sou apaixonada por moda e nem sempre a sigo, vejo as mulheres nas passarelas e acho-as perfeitas mas eu não quero ser como elas. Eu só quero ser um pouco mais livre e não sofrer toda essa pressão que a sociedade faz pra cima de todas as pessoas dizendo que o "bonito" é o "melhor". Eu só acho que há muito mais para se importar do que passar a vida tentado ficar igual aquela modelo que está na capa das revistas.

19 anos, taurina. Escritora de gaveta, cantora de chuveiro e futura CSI

Nenhum comentário:

Postar um comentário