borboletas instantâneas

E as borboletas ainda brincam em seu estômago, mas agora elas estão mais vivas que nunca. Ela encontra-se em uma rua nova, mas ela sabe exatamente aonde ela quer chegar. Olha a sua imagem bagunçada no seu velho, e companheiro, espelho de bolsa e sorri, ela acha graça, acha graça de tudo isso, da sua cara de felicidade extrema e do seu cabelo, sempre igual, ridiculamente igual. Parece tudo mais fácil quando se sente feliz, ela poderia mudar o mundo agora. Sua risada já não é mais fria e sem sentido. Quilos de maquiagem no rosto já não tem mais a função de esconder, ou desenhar com alguns traços, a sua dor. Dor? Essa palavra ainda existe? Não para ela, não agora. Sua maquiagem pinta agora em seu rosto traços desenhados e nada discretos de alegria, de sonhos, linhas de amor.
Aquele velho som toca, ela atende e ouve alguém chamar seu nome, aquele alguém, aquela voz e aquelas borboletas de novo. Um novo sorriso idiota em seu rosto, é impressão minha ou ela está delirando? Não. Ela esta inconsciente, apenas ouvir a voz... Apenas fazê-la viver.
Todos notam sua diferença, sua felicidade espontânea e sem hora para acabar, todos percebem que ela trocou suas antigas borboletas por novas em folha, e mais coloridas, e agora então, ela é completa, ridícula, feliz e apaixonada. Ridiculamente feliz, completamente apaixonada.

19 anos, taurina. Escritora de gaveta, cantora de chuveiro e futura CSI

Nenhum comentário:

Postar um comentário