Who I am

Correndo, fugindo, indo embora. Todas as horas me encontro assim em um novo e obscuro lugar dentro de mim. Passos, pegadas marcam todo o meu caminho, se quiser me seguir eu te mostro o meu mundo, meu medos, anseios e desejos mais profundos.
Mas não há como eu te chamar, minha voz já não sai mais, não há como eu gritar. E que diferença faz? São poucas as pessoas que querem me ouvir. São eles, pessoas demasiadamente estranhas, mas que tem algo familiar, eles me fazem bem, suas vozes ecoam em meus pensamentos e eu ainda não sei se são vozes reais e seus rostos, faces escondidas atrás de tudo, em outro mundo.
Volto para a realidade, acalme-se, você já vai ver que tudo faz sentido, que eu nem sou tão estranha . Siga-me, este é o meu caminho, não tenha medo, não há nada que eu posso fazer agora. Não posso gritar, não quero correr, simplesmente venha comigo. Já estou normal, eles não estão aqui, nem posso mais ouvi-los, acalme-se, eles são tão, normais, tão normais quanto eu. E se ainda assim tiver medo, segure minha mãe, ela está fria, eu sei, acostume-se, pois se você segurar, pode aquecê-la para mim, e então seremos dois mundos, dois pares de pegadas marcando um único caminho.
Não tenha receios, meus anseios podem ser seus, eu não me importo em dividir. Você está sorrindo agora, acima de tudo, eu sei o que você sente, seus olhos me mostram.
Eu não sou estranha, venha e você vai ver que não há nada de mais nisso.
Entre no meu mundo e feche a porta, saiba como eu sou de verdade, conheça minha voz e ouça-a, e pela primeira vez, saiba o que eu penso e ouça o que eu te digo. Você vai ver que na verdade nem você me conhece...

19 anos, taurina. Escritora de gaveta, cantora de chuveiro e futura CSI

Nenhum comentário:

Postar um comentário