Doce sonho amargo


Todas as manhãs eu me perco, durante o dia já não consigo me encontrar. Nessas noites tão escuras já não sei mais o que é dormir e sonhar. Todas as noites eu sinto seu perfume, sinto suas mãos brincando com meus cabelos, de novo, todas as noites eu sinto seu abraço e depois, caio no sono em seus braços e me afogo em pesadelos. Pesadelos estes, que dos quais eu nunca consigo lembrar. Todas as madrugadas frias eu grito seu nome implorando pra você voltar, minhas suplicas ecoam nas paredes frias do meu quarto, não há como negar.
Todas as manhãs eu me perco e corro de encontro a você. Todos os dias eu sonho, acordada, e quanto mais eu sonho mais eu preciso te ter. E esse vazio tão grande só me mostra a falta que você me faz, voltar algum tempo, pra quem sabe ter um tempo a mais.
Minha voz ninguém mais ouve, já cansei de implorar, meus apelos agora apenas minhas paredes frias podem ouvir, já não vou mais sonhar. Que doce ilusão, já jurei mil e uma vezes que pararia com isso, mas isso é justamente tudo o que eu preciso pra viver: O que ainda me resta de você.

19 anos, taurina. Escritora de gaveta, cantora de chuveiro e futura CSI

Nenhum comentário:

Postar um comentário