Fechou a porta do carro com força e saiu caminhando, sozinha. O vento batia com força em seus cabelos. Nunca mais queria ouvir aquelas palavras. Era sempre a mesma coisa, a mesma história, as mesmas mentiras. Ela sempre achou que poderia confiar, mas agora tudo havia sido perdido. Ele era só mais um garoto normal, daqueles que brincam com todos os corações possiveis. Idiota. Ela sorriu. Não iria se enganar novamente, não queria viver isso mais uma vez. Era a mesma história de sempre, tudo se repetia, o vento, as palavras, o sorriso, e no final, tudo voltava a ser como era antes, era sempre assim por um instante, depois tudo voltava ao normal. Era sempre o mesmo pesadelo.

19 anos, taurina. Escritora de gaveta, cantora de chuveiro e futura CSI

Nenhum comentário:

Postar um comentário